Brasil terá uma nova fronteira no mar para explorar minérios .

BRASÍLIA - Assim como já ocorre com o pré-sal, o Estado do Rio poderá se tornar o coração da exploração de uma nova fronteira marítima. Na segunda-feira, o Serviço Geológico do Brasil (CPRM) e a Autoridade Internacional dos Fundos Marinhos (Isba) — órgão ligado à ONU que regulamenta a exploração na área internacional dos oceanos — assinam contrato para o Brasil explorar uma área de três mil quilômetros quadrados além da zona costeira, no meio do Atlântico Sul, em águas internacionais. No Elevado do Rio Grande, como se chama a formação rochosa no fundo do oceano a 1.500 quilômetros do Rio, o governo planeja, inicialmente, conhecer a biodiversidade local e, futuramente, explorar minérios raros e valiosos no fundo do mar.

O CPRM espera que a iniciativa estimule a criação de um parque inovador com novas tecnologias e equipamentos de ponta para auxiliar nas pesquisas, com empresas privadas, universidades e cooperação com outros países. As expedições partirão das instalações do CPRM no município do Rio.

— Há aqui a possibilidade de criação de um polo tecnológico, não só de geologia marinha, mas de ecologia — disse Roberto Ventura, diretor de geologia e recursos minerais do CPRM, estatal ligada ao Ministério de Minas e Energia.

Pela concessão, o Brasil vai se comprometer a investir pelo menos US$ 11 milhões no período de cinco anos no conhecimento da região. Com recursos do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC), o CPRM já investiu R$ 60 milhões para mapear a região e encontrar os blocos mais promissores, em uma área quase 50 vezes maior do que a que foi inicialmente analisada.

Segundo Ventura, com o acordo, o Brasil passa a incorporar um seleto grupo de países que detêm apenas 24 contratos com a Isba atualmente para explorar áreas internacionais nos mares do mundo, entre eles China, Noruega, Alemanha, Japão e Coreia. O Brasil também será o primeiro país a ter direito de pesquisar uma área do Atlântico Sul. Atualmente, apenas Rússia e França têm áreas de pesquisa no Atlântico, mas na faixa equatorial.

— Melhorar a infraestrutura brasileira não é só construir estradas, usinas, ferrovias, mas encontrar conhecimento que possa viabilizar o desenvolvimento econômico e a atração de investimentos. A pesquisa em meio ambiente e geologia marinha é um avanço nessa linha — disse Ventura.

A exploração de minérios no mar ainda tem custos elevados — como o pré-sal, na origem — e gera uma grande preocupação ambiental. As primeiras expedições do Brasil dentro do acordo com o Isba vão justamente fazer um levantamento da biodiversidade dos 150 blocos concedidos, para identificar as áreas ambientalmente sensíveis. A ideia, segundo Ventura, é estabelecer uma linha de base ambiental para o monitoramento da região.

PRESENÇA ESTRATÉGICA

De acordo com os levantamentos iniciais, a área pode conter novas formas de vida até agora desconhecidas e, abaixo do solo, minérios de alto valor, como ferro, manganês, cobalto e terras-raras (fundamentais para aparelhos de alta tecnologia, como smartphones e tablets). Mas só a última etapa dos estudos indicará a viabilidade econômica, ambiental e técnica da exploração dos minérios. Ventura lembra, porém, que o petróleo do pré-sal está muito mais profundo do que o local onde ocorreria, inicialmente, a atividade de exploração mineral.

PRESENÇA ESTRATÉGICA

De acordo com os levantamentos iniciais, a área pode conter novas formas de vida até agora desconhecidas e, abaixo do solo, minérios de alto valor, como ferro, manganês, cobalto e terras-raras (fundamentais para aparelhos de alta tecnologia, como smartphones e tablets). Mas só a última etapa dos estudos indicará a viabilidade econômica, ambiental e técnica da exploração dos minérios. Ventura lembra, porém, que o petróleo do pré-sal está muito mais profundo do que o local onde ocorreria, inicialmente, a atividade de exploração mineral.

A presença no Atlântico Sul é importante em termos políticos e estratégicos, porque por ali passa a maior parte do nosso comércio exterior, tem o pré-sal e muita atividade de pesca — disse o capitão de mar e guerra Carlos Leite, representante do Brasil na comissão técnica e jurídica da Isba.

Pelo compromisso, o Brasil também será obrigado a levar pesquisadores internacionais à região, assim como técnicos do CPRM já participaram de expedições em águas internacionais capitaneadas por outros países. Segundo Ventura, a ideia do Brasil é levar especialistas de países da África e de vizinhos da América Latina, como forma de liderar essas pesquisas na região meridional do planeta.

Depois de promover esse levantamento geológico pela CPRM, o governo poderá conceder parte dos 150 blocos de 20 quilômetros quadrados cada, para que uma empresa privada venha a exercer a atividade mineral no Atlântico Sul. Há companhias brasileiras que já se interessam pelo fundo do oceano. O Brasil recebeu em julho deste ano, por exemplo, em Niterói (RJ), o navio hidroceanográfico de pesquisa Vital de Oliveira, em um investimento de R$ 162 milhões dividido por Petrobras, Vale, ministérios de Ciência e Tecnologia e da Defesa e pela Marinha. A Vale pagou R$ 70 milhões desse total.

O navio, de 3,5 mil toneladas, possui um robô que, remotamente, pode mergulhar a até 4 mil metros de profundidade para buscar objetos no fundo do oceano e detectar recursos minerais em águas profundas. As profundidades do Alto do Rio Grande variam entre 800 e quatro mil metros.

Submit to FacebookSubmit to Google PlusSubmit to TwitterSubmit to LinkedIn

Deixe um comentário

Certifique-se de preencher os campos indicados com (*). Não é permitido código HTML.

Sobre nós


Somos profissionais apaixonados pelo mar e o tornamos nosso ambiente de “trabalho”. Temos por ele enorme respeito e profunda consciência da necessidade de sua preservação.

Compartilhamos o propósito de levar nossa experiência de décadas dedicadas às atividades marinheiras, seja em navios da Marinha do Brasil, em navios mercantes ou ainda em barcos de lazer, com aqueles que desejam iniciar ou aperfeiçoar suas habilidades náuticas, com segurança, nesta que é uma das mais antigas artes da humanidade, a Arte de Navegar !

Contate-nos

 

 envelope  21 999.432.777


envelope   contato@navegart.eco.br

 

Cadastre-se em nossa newsletter